Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

oraviva

oraviva

28
Fev20

Marionetas

publicado por júlio farinha

   Toda a gente conhece a expressão "Maria vai com as outras" para designar o seguidismo a que estão sujeitas as almas frágeis e vulneráveis. Aqueles que não detêm pensamento próprio nem cultura firme e trabalhada, estão à mercê de todo o tipo de manipulação, política, religiosa, social e psicológica. Facilmente se entregam à mentira e a interesses que lhes são intrinsecamente alheios.

    Acontece, no domínio do espiritual, que esta usurpação da liberdade é consentida. Feuerbach chegou até nós pela pena da sua "Essência do Cristianismo" nos seguintes moldes: "Quanto mais de si o Homem se atribui a Deus, menos lhe resta". A alienação de si representativa é, por isso, quase sempre consentida. A ataraxia estoica não é compatível com esta cedência humana. A tranquilidade da alma não pode ser conspurcada por esta desonra de dar aquilo que só ao Homem pertence - a sua consciência, a sua alma na mais pura da sua identidade ética.

   É deveras embaraçoso que a Humanidade despeje, numa urna de voto, o que lhe resta fazer - engrandecer o espírito, armar-se de cultura e elevar o mais alto que pode haver a sua própria sabedoria. Não há ninguém, na chamada democracia representativa, que nos possa guiar ao céu onde está Sócrates e Platão. Só aí eu me ofereço para ser governado.

26
Fev20

O poema da coragem

publicado por júlio farinha

É para mim um dos mais fantáticos poemas contemporâneos musicados em lingua portuguesa. Foi, na época escura dos regimes totalitários do Brasil, considerado subversivo.

É de uma beleza estética fora do normal e de uma profundidade sem paralelo.

É cantado com o cérebro e a voz de dois monstros da MPB. Chico Buarque e Milton Nascimento.

Arrebatador e apaixonante. 

25
Fev20

Pensar e agir

publicado por júlio farinha

"O cérebro segrega o pensamento assim como o fígado segrega a bílis" - frase atribuída a Descartes e aos materialistas do século XVII.

Não há pensar sem a base material que o produz, nem há qualquer instância sobrenatural que esteja na  sua génese. Tudo é material, tudo é consequência da matéria incluindo aquilo que se designa por espiritual.

A alma não existe, de facto. Atribui-se o termo a um atributo humano localizado no cérebro responsável pelas emoções e pela razão. A própria inteligência emocional, própria pelo debitar dos sentimentos e pelo conhecimento de si e pela compreensão do outro é, tudo razão - embora lhe demos diferentes nomes por facilidade de análise.

Do mesmo modo, os humanos não amam com o coração mas com a cabeça. Nesta, o cérebro detecta impulsos nervosos, eléctricos e transformam tudo isso em acção, em linguagem. Os sentidos do ser humano: tacto, visão, audição, paladar e olfacto constroem o mundo sensorial que, por sua vez, interpreta e formata a realidade de cada um.

Sem pensamento não há acção humana e sem acção humana o pensamento é estéril.

Bons pensamentos dão em boas acções e boas acções fazem nascer bons pensamentos.

20
Fev20

Disseste

publicado por júlio farinha

A nossa vida, disseste um dia, é uma complicação

Dá-nos com os pés tira com a mão.

É porta fechada em vez de aberta

A nossa vida de nuvens encoberta.

É assim, pensas tu bem, um ter do que nada tem.

19
Fev20

O virtual é real

publicado por júlio farinha

   O real é o conjunto das coisas que são e que não são. Nesta visão podemos, então, dizer que até o virtual é real. A nossa vida na blogosfera é feita, na realidade, de seres, pensamentos, sentimentos, sonhos e apontamentos da nossa própria história. Sendo assim, podemos dizer que a internet tanto nos une como nos separa, e que aquilo que somos virtualmente passa a ser algo de real e vice-versa.

   Comunicamos e deixamos que nos comuniquem. Na vida real e na vida virtual. Pois, são ambas verdadeiramente existentes. Talvez que a única diferença, a havê-la, esteja no contacto físico. Mas, pode um ser humano, por exemplo, amar outro à distância? Sim, obviamente. Fernando Pessoa viveu um amor platónico e ninguém pode dizer, fazendo fé nas suas cartas de amor a Ofélia, que não era um amor terno e sincero.

   O contacto físico parece ser necessário, segundo as leis da natureza, para haver uma integral entrega recíproca entre dois amantes. A internet não substitui, de facto, o afecto físico, a carícia, o olhar, o toque, a pulsação da entrega feita da intenssíssima doação dos corpos, a ousadia e o entusiasmo de ir sempre mais além na entrega sexual.

   Sumariando - o desejo, a aproximação e o calor amoroso não são exclusivos do amor físico. Há sobejos casos de dois seres que se apaixonam e vivem um amor sem se conhecerem físicamente. O amor vai, neste caso, buscar o conhecimento a várias fontes incluindo à intuição. Costuma resultar em sincera e forte amizade. No entanto, mais tarde ou mais cedo, a paixão irá solicitar  um estádio superior de amizade e de necessidade. De contrário, o amor apenas baseado na esfera virtual corre o risco de não passar à comunhão completa e total.

02
Fev20

Passarinhos fritos

publicado por júlio farinha

Há já muito tempo tive conhecimento de uma ideia bizarra que nos foi deixada por um membro do "Eixo do Mal". 

Quem se desloca na sinuosa estrada e antes de chegar, para quem desce, a Mértola indo de Beja, encontra um cruzamento que vai dar a uma aldeia nas margens do Guadiana que se chama, a propósito da minha história, "Pulo do Lobo".

Alma observadora deu com um predador agora já em vias de extinção, mas na altura desempenhando finções de Presidente da República à portuguesa. Tratava-se, pasme-se, do ilustre Cavaco Silva que atravessava um mau momento do (des)encontro com o pimeiro ministro de então.

Refugiado nas bordas do rio, mais exactamente no Pulo do Lobo, entregava-se à mastigação de ... passarinhos fritos! E para isso deu um pulo digno do mais refinado predador das inocentes avezinhas.

mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D