Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

oraviva

oraviva

13
Out18

O dinheiro é o ópio do rico

publicado por júlio farinha

   Karl Marx, que a troco de uma intensa vida de trabalho intelectual, praticamente gratuito, não nadava em riqueza, disse um dia: " Nunca ninguém escreveu tanto sobre o dinheiro tendo tanta falta dele".  Sua mãe, que não partilhava a  paixão  pelos ideais do filho, desabafou em jeito de azeda e cínica resposta: "Em vez de escrever O Capital, mais valia que o produzisse."

 

   Shakespeare, por sua vez, designaria  o  dinheiro por "vil metal". Esta é uma das expressões mais felizes e certeiras para atribuir ao citado condimento do capitalismo. A vilania está na redução das necessidades humanas ao poder de um fetiche, de uma entidade perversa de cariz sobrenatural, mágica e trágica.

 

   Tanto os pobres como os ricos são escravos desse fantasma. Para os despossuídos, ele é o senhor absoluto. Significa escravidão. Submissão. O vil metal é o feiticeiro da discórdia e da infelicidade no lar do pobre. Casa onde onde não há pão , todos ralham e ninguém tem tazão.

 

   Para os possuidores, o dinheiro representa uma prisão construída à custa dos pobres. O rico é vítima da desonra da exploração a que sujeita os que nada ou pouco têm, coisificando aquilo que devia ser enobrecido: o trabalho  Ele está preso à condição de quem depende dos bens que o dinheiro compra. O dinheiro é o ópio do rico. A bancarrota de um rico é a sua perdição, a sua própria morte. Pois, ele é o dinheiro e os bens que possui. E o dinheiro não tem alma. 

 

    O vil metal é necessário? A resposta é não. Podíamos viver sem ele? Sim. Historicamente, o nosso antepassado sobreviveu e era feliz enquanto colector, caçador, pastor e agricultor. Colhia da natureza o que lhe fazia falta e trocava excedentes e produtos entre si.

 

   É isto uma visão simplista, romântica e idealista? Provavelmente. Mas não faz mal irmos às origens – lá onde se vivia em simbiose com a natureza e havia respeito pelos próprios animais que se caçavam. Havia então,empiricamente,a noção que hoje não temos de que o planeta é frágil e exige cuidados nossos.

 

   A ciência multidisciplinar que hoje existe dá como provável o colapso, porque insustentável a prazo, dos sistemas sociais, políticos e económicos que temos. A história conhece períodos de revisitação e actualização do passado, como foi o caso do Renascimento  -  tão fértil em cultura, ciência e humanidade.

 

   Preparemos os vindouros na revisitação da felicidade perdida e na antecipação do futuro refeito. Para além deste tempo, outros tempos derivados virão.  Novos, feitos hoje a partir dos velhos. É que toda a antiga e madura sociedade, ao caír sob o desenlace dascontradições em que se envolveu, dá necessariamente origem a uma sociedade de nível superior. É uma questão de tempo e da acção dos homens. Como tão bem disse Ortega & Gasset: eu sou eu e as minhas circunstâncias. (*)

 

(*) Esta citação foi-me recordada pelo blogue de P.P. no seu perfil. Obrigado.

 

5 comentários

Comentar post

mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D