Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

oraviva

oraviva

11
Ago18

A Fé e a Razão

publicado por júlio farinha

 

   A fé é um sentimento humano. Só o homem é capaz de acreditar. Os homens têm crenças diversas mas aquela que, geralmente, é para nós a mais nobre é a que diz respeito ao sobrenatural.

   Os crentes têm como verdadeira a existência de um ente ou algo que está para além de nós e que, de certo modo, supervisiona as nossas acções, a nossa existência.

   Para os não crentes, os deuses ou objectos de culto são criações humanas.

   Os nossos primitivos antepassados animistas acreditavam que tudo na vida e na natureza tinha uma alma ou espírito. Fossem animais, plantas, rochas, serras, rios ou corpos celestes.

   No mundo do sobrenatural e dos deuses, as entidades correspondentes manifestam-se ao mundo dos vivos e estes convocam aqueles através de rituais para deles obterem benefícios.

   As mais célebres e ricas mitologias da antiguidade mais recente no mundo ocidental são a grega e a romana. Quem não sabe que para os gregos Afrodite era a deusa da beleza e do amor, Zeus era o pai de todos os deuses, Atena era a deusa da sabedoria e Apolo o deus da luz?

   A tendência histórica foi a da humanidade se ir separando das religiões politeístas e converter-se às crenças e práticas monoteístas. Hoje, entre as religiões de um deus único estão o Cristianismo e o Islamismo.

   A Razão, por seu lado, tem coexistido, ao longo dos tempos, com a Fé ora aproximando-se, ora afastando-se radicalmente desta.

   Em traços gerais, podemos dizer que a Razão é uma faculdade humana que prescinde em grande medida do recurso ao uso de entidades estranhas ao intelecto para se afirmar autonomamente no processo do conhecimento. A Razão, diz-se, é uma característica distintiva no mundo animal. Trabalha com conceitos e é mestre do raciocínio.

   A Razão, tal como a Fé, procura chegar à verdade. No entanto, a Fé no seu exercício, torna-se dogmática e raramente é seguida pelos cientistas no processo investigativo. Os preceitos da Fé não são discutíveis, são para seguir, aceitar e não lidam bem com o contraditório. A Razão, afirmam os seus defensores, é livre, humanamente produtiva e superior. “Quanto mais de si o homem atribui a Deus, menos lhe resta”  (L. Feuerbach).

   Para os materialistas filosóficos a ferramenta privilegiada para a descoberta científica e para a condução de si mesmo na vida é a Razão.

   A Fé e a Razão são duas possibilidades humanas de ver o mundo. Uns, escolhem a primeira, outros, a segunda. E há quem conjugue as duas. Napoleão perguntou uma vez ao grande cientista Laplace porque não tinha ele mencionado uma única vez na sua Opera Celeste o nome do Criador, ao qual este respondeu: “não tinha necessidade dessa hipótese”. Para o astrónomo, Deus era apenas uma possibilidade de que não carecia para estabelecer a sua teoria científia sobre o universo.

   Não significa isto que não tenhamos convicções e emoções que nos completam enquanto pessoas. A Fé dá conforto ao espirito quando nos sentimos perdidos ou inseguros perante a extraordinária diversidade e grandiosidade do universo.

   Por vezes, quando a ciência não foi capaz de sossegar o nosso sofrimento físico ou psíquico em virtude, por exemplo de doença grave, inclino-me a considerar justificada a aproximação a um espírito omnipotente,  imanente à matéria universal - mater de todas as coisas - capaz de minorar a nossa pena. É que o homem não é apenas razão, é um ser muito complexo e delicado que possui aquilo que, embora em desuso, se chama espírito.  

 

 

 

 

 

27
Mai18

A Eutanásia e o PCP

publicado por júlio farinha

   O principal, senão o único, argumento do PCP contra a eutanásia é falacioso. O PCP vai votar contra porque, diz, há que acreditar na ciência e supor que esta vai arranjar forma de prolongar a esperança média de vida. Certo, assim será, pois para essa convicção concorre a evidência e a história. Porém, há que lembrar que para além da ciência, existem muitos outros factores, alguns reversíveis, note-se, que levam a humanidade para níveis de longevidade nem sempre progressivos.

   Não é garantido que a ciência arranje, a prazo, cura para doenças que agora, e por muitos anos vindouros, são incuráveis e que causam sofrimento indescritível a quem as contrai ou está em estado terminal.

   A posição do PCP não se funda na defesa da dignidade humana. E o seu solitário argumento é, para além de falacioso, fraco. Mais fraco se torna porque a sua ideologia, ou estarei enganado com desconhecidos desenvolvimentos recentes, não se coaduna com a fé. Para certa religião a vida é propriedade de Deus, como se sabe. Nós, criaturas, não temos o direito de dispor da nossa vida, nem em situações limite.

   Então, em que se funda verdadeiramente a posição do PCP? Não é, ao contrário do que diz, na ciência. Não é em pressupostos filosóficos, pois estes impugnariam toda a doutrina materialista do marxismo.

   Quando, e se, a ciência descobrir remédio para doenças incuráveis causadoras de degração humana irreversível e permitam um mínimo de qualidade de vida do doente, então será altura de tornar a eutanásia dispensável. Agora, não.

   A vida é de quem a vive e enquanto a vive.

mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D